sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Bent Objects by Terry Border. É no mínimo, interessante!

Este artista esteve no Brasil em agosto de 2010 para trabalhar numa campanha de uma empresa de telefonia.
Abaixo alguns dos trabalhos que mais gostei e no final, o que ele criou justamente após sua visita ao nosso país.

Quem gostou, bate palmas!!!! quer dizer, quem gostou, visite o blog dele:

http://bentobjects.blogspot.com/

Valeu Terry! Gostei muito.

bent objects = objetos dobrados



Dancing Queens. (Posted Dec 6th, 2010)
Dá até vontade de dançar lembrando da música do ABBA.

Na vida, tudo passa. Até a uva  passa!
 
Frida, ele ousou. Hein?

New friends, I want.  (Posted Jan 14th ,2011)

Miss Kiwi´s Brazilian. (Posted Aug 17th, 2010)
"The idea for this image came to me as I was in Brazil last week. I even asked a couple of friends down there about their thoughts on it, and from what I understand Brazilians don't exactly enjoy being thought of when this subject comes up ( I was even told that their country isn't responsible for it's origins), but that if I created it, it would be enjoyed in that part of the world. So let's see, shall we?"

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ziraldo. Precisa falar alguma coisa sobre ele?

Uma (ou mais) imagens valem mais do que 1000 palavras.

Parabéns Ziraldo! 79 ANOS

 

Ziraldo Alves Pinto (Caratinga, 24 de outrubro de 1932) é um cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, caricaturista, escritor, cronista, desenhista e jornalista brasileiro. É o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis do Brasil.

mary blair


Linda! 1911-1978



O Google, em sua página principal, homenageou a animadora Mary Blair no dia 21 de outubro com um doodle especial.
Mary Robinson Blair frequentou a escola de arte em Los Angeles e inovou a arte de fazer desenhos. Durante a década de 30, Mary pintou aquarelas com temas regionais e trabalhou no Walt Disney Company. Seu talento fez parte da arte conceitual de filmes como Peter Pan, Cinderella e Alice no País das Maravilhas.
Ela também fez murais para Disney World e Disneyland, como um enorme mosaico na Disney Contemporary Resort.
Depois da Segunda Guerra Mundial, ela e Lee Blair, seu marido, foram para Nova York, onde Mary criou negócios de arte que fizeram muito sucesso, fez ilustrações de livros infantis, capas de revistas e cenários teatrais. Mary Blair foi homenageada, em 1991, como uma lenda da Disney. Seu trabalho fora da Disney é pouco conhecido, porém muito admirado e copiado por designers, ilustradores e animadores.
A artista morreu em 26 de julho de 1978, de hemorragia cerebral.
Fonte: http://www.noticiasbr.com.br/

Vamos ver um pouquinho de sua arte a seguir:



South American Goodwill Tour



Tem muito mais no magicofmaryblair.com

sábado, 15 de outubro de 2011

Olha o Pan 2011 aí, gente!!!

Jogos Pan-Americanos iniciando-se hoje na cidade de Guadalajara - México.

Vamos ao mascotes do evento:

Gavo

Gavo é uma agave, espécie de cacto, planta bem comum na América Central e usada na produção de tequila. O personagem é apaixonado pelo México e pelo futebol, adora as áreas verdes e quer conquistar todos que forem ao México pelo Pan.
Gavo

Leo

Leo é um leão mexicano e faz referência ao brasão de armas da cidade de Guadalajara, que tem dois leões. O personagem diz que todo bom “tapatio”, o apelido dos moradores de Guadalajara, gosta de boxe.
Leo

Huichi

Huichi é um cervo que nasceu na região de Talpa, mas seu coração preserva as tradições do povo indígena Huichól (também conhecido como Wixáritari), que vive na região de Jalisco, estado em que está localizada Guadalajara. A tribos dos Huichól cultuam o fogo, os cervos e demais elementos da natureza.
Huichi
 
E então, vamos torcer pela turma do Brasil, que deu um show à parte na abertura do Evento??? Teve ciranda-cirandinha e trenzinho. Foi muito legal!
 
Sem falar no Hugo Oyama do tênis de mesa que foi o "porta-bandeira", se emocionou tanto que  emocionou a todos.
O Hugo já foi medalha de ouro na modalidade individual, na modalidade duplas e por equipe em diversos Pan-Americanos.
 
 
 
Eu
sou brasileiro
com muito orgulho
com muito amor
 

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Cristo Redentor, um senhor de oitenta anos. Parabéns!

Minha homenagem ao anivérsário de uma das sete maravilhas do mundo moderno. Cristo Redentor, localizado no morro do Corcovado, Rio de Janeiro.

Em 2007, o monumento foi eleito e apresentado publicamente como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, ao lado da Muralha da China, Coliseu na Itália, Machu Picchu no Peru, Petra na Jordânia, Taj Mahal na Índia e Chichén Itzá no México. A escolha, promovida pela New Open World Foundation, contou com mais de cem milhões de votos.

Não ficou pronta a tempo do aniversário, mas quero compartilhar com vocês o esboço da tela.



O Cristo Redentor é um monumento que retrata Jesus Cristo. Está localizado no bairro do Alto da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Se situa no topo do Morro do Corcovado, a 709 metros acima do nível do mar. Foi inaugurado às 19h 15min do dia 12 de outubro de 1931, depois de cerca de cinco anos de obras. Um símbolo do cristianismo, o monumento tornou-se um dos ícones mais conhecidos internacionalmente do Rio de Janeiro e do Brasil. No dia 7 de julho de 2007, em Lisboa, no Estádio da Luz, foi eleito uma das novas sete maravilhas do mundo.
A decisão, após um concurso informal, foi baseada em votos populares (internet e telefone).
Todavia, o concurso não possui o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, que apontou a falta de critérios científicos para a escolha das maravilhas.

Dos seus 38 metros, oito estão no pedestal e trinta na estátua, a qual é a segunda maior escultura de Cristo no mundo, atrás apenas da Estátua de Cristo Rei, na Polônia.
Em uma pesquisa realizada pela revista América Economia, no ano de 2011, o Cristo Redentor foi considerado por 23,5 por cento dos entrevistados como o maior símbolo da América Latina. A pesquisa foi feita pela internet e reuniu a opinião de 1 734 executivos de todos os países da região

Na cerimônia de inauguração, no dia 12 de outubro de 1931, estava previsto que a iluminação do monumento seria acionada a partir da cidade de Nápoles, de onde o cientista italiano Guglielmo Marconi emitiria um sinal elétrico que seria retransmitido para uma antena situada no bairro carioca de Jacarepaguá, via uma estação receptora localizada em Dorchester, Inglaterra, tudo a convite de Assis Chateaubriand. No entanto, o mau tempo impossibilitou a façanha e a iluminação foi acionada diretamente do local. 

Vista panorâmica do Cristo Redentor. É possível observar o Pão de Açúcar e a Baía de Guanabara, com a Enseada de Botafogo ao centro.
  Réplica:
Portugal possui uma escultura similar junto à foz do Rio Tejo, na sua margem sul, na cidade de Almada. O monumento, virado para Lisboa, foi inaugurado a 17 de maio de 1959 e constitui o melhor miradouro da capital portuguesa. Designado por Cristo-Rei, é uma das mais altas construções de Portugal, com 110 metros de altura, incluído o pedestal, sendo que a estátua possui 28 metros.

Fonte: Wikipédia

- Exposição Cristo Redentor Para Todos: a mostra espalhará réplicas do monumento pelo Brasil e o mundo. Cada réplica do Cristo Redentor terá 3,8m de altura (a original tem 38m) por 3m de largura e uma iluminação especial.

Belo Horizonte, Vitória, Belém, São Luiz e São Paulo são as cinco capitais do Brasil que receberão estas réplicas. Já Toronto (Canadá), Roma (Itália), Tóquio (Japão), Maputo (Moçambique) e Shangai (China) ou Brisbane (Austrália) são as cidades de outros países por onde circulará a exposição Cristo Redentor para todos.

A mostra terá início em novembro.

Fonte: Band.com.br

Por hoje é só, pessoal! Ah! quando a tela ficar pronta é claro que irei publicar. Aguardem...

domingo, 9 de outubro de 2011

Exposição "Rino Mania". São 60 rinocerontes espalhados pela cidade de São Paulo.






Desde o dia 20 de Setembro de 2011 o evento "Rino Mania" espalhou 60 rinocerontes pintados por artistas plásticos na cidade de São Paulo. Mais 15 trabalhos fazem parte de uma exposição itinerante por 10 municípios.

O evento, que acontece nos moldes da Cow Parade, projeto que espalhou vacas pela cidade, é inspirado em uma ideia inglesa.

A Rhino Mania foi criada pela organização "Wild In Art", que tem como propósito disseminar a arte e meio ambiente em escolas.

No Brasil, o projeto foi trazido pela Duratex em comemoração aos seus 60 anos (daí o número 60 “rinos”) e no final, ocorrerá um leilão cujos recursos serão destinados para projetos com foco em educação ambiental e preservação da vida selvagem.

Os "rinos" ficam nas ruas paulistanas até 20 de outubro.

Já os 15 “rinos” itinerantes passeiam pelas cidades onde existem a unidades fabris e florestais da empresa: Agudos, Lençóis Paulista, Itapetininga, Botucatu, Jundiaí, Taquari, São Leopoldo, Uberaba, Estrela do Sul, Cabo de Santo Agostinho e João Pessoa.

O rinoceronte foi escolhido por três motivos: por ser uma espécie em extinção, pelas possibilidades que o formato do corpo proporciona ao artista e pelo impacto que gera à primeira vista. 


RINO-MANIA
Onde: A exposição se espalha por diversos pontos da cidade. Saiba quais no site do evento

Essa que eu vi ao vivo e em cores, está na Praça dos Omaguás, em  frente  a FNAC Pinheiros e é da Alexandra Magrini Nunes, que tem um trabalho figurativo e contemporâneo. Com grandes influências do street art e do POP. Expressa sua arte com meninas de olhos disformes com meias rendadas, que muitas vezes se transformam em sereias. Seu trabalho é cheio de significados e com uma desordem bastante harmônica e significante. A artista já recebeu algumas premiações, em dois grandes Salões de Arte Contemporânea em Campinas e no Rio de Janeiro, e se preparara para duas exposições importantes no Brasil e uma em Portugal.

sábado, 1 de outubro de 2011

Bordado também é arte. Ilha da Madeira a terra de meus pais.

Quero fazer uma homenagem para a minha mãe. Este mês, faz 3 anos que ela faleceu e guardo com muito carinho em meu coração a lembrança de seu sorriso. Mesmo em meio as adversidades do dia a dia ela mantinha um sorriso constante.
Para ajudar no orçamento doméstico, ela bordava à moda da Ilha da Madeira, onde nasceu e viveu até por volta dos trinta anos.
Desde a infância, testemunhei inúmeros trabalhos feitos à mão para as Casas de Bordados de São Paulo, sempre cantarolando uma canção portuguesa. Às vezes eu a ajudava a bordar umas bolinhas para compor uma flor ou fazia o ponto corda que compunha o caule dos arranjos florais.


Logo abaixo uma pequena descrição de como surgiu esse bordado maravilhoso da Ilha da Madeira.
Breve histórico: "O bordado faz parte da cultura e da história da Madeira e foi originalmente introduzido pela família inglesa Phelps que se instalou na ilha em 1784. Tudo começou com a filha mais velha de Joseph Phelps, Elizabeth, que em 1854 fundou uma escola em sua casa e, seguindo desenhos originais seus, ensinou crianças e mulheres a bordar. Estes bordados inicialmente eram vendidos de forma privada a amigos da família e só mais tarde se expandiu a venda a turistas. Tornaram-se populares e muito procurados na Ilha da Madeira na sequência duma exposição no Funchal e mais tarde venceram vários prémios no International World Trade Exhibition em Londres.

Em 1860 o bordado era já uma indústria bem estabelecida. Estimava-se que havia cerca de 70,000 bordadeiras nessa altura na Madeira.

Os tecidos usados na indústria do bordado são linho, seda, algodão e organdi. Destes são feitas toalhas de mesa, vestidos, camisas, lençóis e delicados lenços.

As fábricas de Bordado Madeira 
localizam-se no Funchal mas tradicionalmente as bordadeiras fazem o trabalho de bordar em casa, um pouco por toda a ilha.
As fábricas fornecem às bordadeiras o material e depois de bordado recebem-no de volta, terminando o processo de produção para depois vender e exportar para todo o mundo.

Os desenhos usam padrões tradicionais e modernos que são ligeiramente impressos directamente no tecido como guia. Depois o tecido impresso é distribuído às bordadeiras em conjunto com as coloridas linhas de bordar por toda a ilha da Madeira e do Porto Santo. Na fase final, após ter sido bordado, o pano é devolvido à fábrica onde é verificado, cortado, lavado e prensado, e finalmente verificado de novo e é nessa altura que recebe o selo que garante a sua qualidade e perfeição. Só então é que está pronto para ser vendido ou exportado. O Bordado Madeira tem ganho muitos prémios, sendo o mais recente galardão a edição 2008 do New York Home Textile.


Hoje em dia o mais fino e delicado Bordado Madeira é um souvenir muito procurado pelos turistas que visitam a ilha, que muito admiram a sua beleza e perfeição; um tesouro para durar várias gerações. "


Quero mostrar agora alguns dos trabalhos feitos por ela que para mim são como um tesouro.

Detalhe de uma toalha para bandeja. Tecido: linho Linha: algodão
Aí vemos o detalhe do "Ponto Corda" que eu fazia para compor o caule . O "Ponto Cheio" que forma cada uma das pétalas e das folhas. O "Ponto Richelieu", que são esse pontos vazados dando esse efeito único.

Lencinhos femininos


Tecido: Cambraia  Linha: Seda
Barrado de lençol, feito por minha mãe. Nesse há detalhes de "Ponto Crivo". Esses micro-furos que são feitos a partir de um fio puxado da trama do tecido e depois bordado ponto a ponto dando esse efeito. Lindo!!


Ponto Crivo, Ponto Corda, Ponto Cheio, Viuvinhas, são essas flores minúsculas, feitas com Ponto Cheio, etc.
  
Barrado de lençol feito por minha mãe.





Não é a toa que essa ilha atrai tantos turistas. A beleza e o colorido das flores são inigualáveis. Podem ser vistos nos diversos artesanatos e nos mercados de flores.


Imagem de uma florista na Ilha da Madeira.
 
Enquanto houver quem valorize o trabalho da agulha, o bordado  madeirense não deixará de existir.
Ainda hoje, passados os momentos de fulgor da produção e comércio do  bordado, a ilha continua a ser identificada pela fama do seu bordado. 
Muito mais sobre essa lindíssima ilha no link: www.madeira-live.com/pt/embroidery/html

Compartilho ainda, uma foto que uma amiga de minha mãe enviou para ela há muitos anos atrás, onde algumas amigas estavam a bordar uma toalha.  Era um momento de trabalho e descontração ao mesmo tempo, onde cantavam músicas típicas e também "rolava um bate-papo".  Uma verdadeira terapia.



Bordadeiras da Ilha da Madeira nos anos 50.
 Beijinhus (como dizem os Madeirenses)